Práticas da Letra

PRÁTICAS DA LETRA

  • Coordenação: Ana Lucia Lutterbach
  • Coordenação adjunta: Bruna Guaraná
  • Periodicidade e horário: sextas-feiras, quinzenalmente, às 10h30
  • Início: 07 de agosto

Na lição IV do Seminário 23, ao se aproximar de Os exilados, de James Joyce, Jacques Lacan nos diz “Exílio, não poderia haver termo melhor para exprimir a não-relação […]” (p. 68). O Núcleo Práticas da Letra recolherá esse significante – exílio – para nortear suas leituras no ano de 2020, tomando-o tanto em sua dimensão estrutural, isto é, como efeito de se estar na linguagem, de ser habitado pelo inconsciente, como contingencial, levando em conta a História e o nosso momento histórico. Pesquisaremos as diversas formas que a escrita doa às vidas exiladas: banimento, migração, deslocamento, isolamento, silenciamento, invenção.


Referências bibliográficas

LACAN, Jacques. (1975) O Seminário, livro 23: o sinthoma. Texto estabelecido por Jacques-Alain Miller. Tradução: Sergio Laia. Revisão: André Telles. Rio de Janeiro, Zahar, 2007.

MACÉ, Marielle. Sidérer, considérer : migrants en France, 2017. Paris: Éditions Verdier, 2017.

_____. Siderar, considerar: migrantes, formas de vida. Tradução e prólogo: Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018. Revista Mental, no. 38. Étranger(s). EFP.