Clínica e Política do Ato

CLÍNICA E POLÍTICA DO ATO

  • Coordenação: Ondina Machado
  • Coordenação adjunta: Leonardo Miranda
  • Periodicidade e horário: segundas e quartas sextas-feiras do mês, às 14h00
  • Início: 14 de agosto

No segundo semestre de 2020 prosseguiremos com a nossa pesquisa guiada pelo tema do Encontro Brasileiro de 2020 – “O Feminino infamiliar: dizer o indizível”. Até aqui, nos debruçamos sobre textos e casos apresentados pelos participantes da Unidade de Pesquisa que nos proporcionaram um aprofundamento sobre o gozo feminino como paradigma do gozo independente do discurso sob o qual o sujeito se inscreva. Investigamos a coincidência do não-todo nas mulheres e suas consequências por vezes devastadoras, assim como a experiência do não-todo para alguém que se nomeia homem. Em ambos, tentamos captar o que foi possível dizer dessas experiências e o que resta opaco e indizível. Nosso método de pesquisa e estudo será o mesmo, no qual intercalamos fragmentos clínicos com a leitura de textos. Nos guiaremos pelas surpresas que o dizer nos apresenta, trabalhando com os seus efeitos para a montagem da bibliografia no decorrer de nossos encontros.


Temas abordados desde 2013:

  • Violência urbana
  • Teoria geral do ato, acting e passagem ao ato
  • Agressores e vítimas
  • Adolescência em ato
  • Ato e psicose
  • Ato e segregação
  • A violência e os afetos